Neste dia

Monteiro Lobato Fala do Além

A incrível história do pacto entre os escritores Monteiro Lobato e Godofredo Rangel buscando comprovar a vida após a morte.

Monteiro Lobato e os médiuns Pedro Machado e Chico Xavier.
359views

Grande Monteiro Lobato! Hoje, completam-se 71 anos de sua morte. No início do ano, sua obra entrou em domínio público. Nunca se viu tantos livros de Monteiro Lobato publicados como em 2019.

Lobato foi escritor, editor, empreendedor e polêmico. Foi um e muitos. Não pode ser resumido facilmente. É considerado o “pai da literatura infantil” no Brasil, um país que adora adotar “pais”. Lobato jamais pretendeu ser “pai” disso ou daquilo. Mas, acreditou que esse país poderia andar com sua próprias pernas, desde que os governos não atrapalhassem. Nisso, Lobato combinava com Lima Barreto. Não por acaso, Lobato foi o único editor que Lima efetivamente teve em vida.

Mais recentemente, Monteiro Lobato tem sido alvo de acusações de ter propagado racismo em suas obras. Dessa forma, Lobato, mesmo depois de tantos anos, ainda continua gerando polêmicas. O que eu acho, sinceramente, é que ele precisa ser mais estudado e compreendido em suas multiplicidades e limitações. Nossos autores clássicos foram seres-humanos, erraram e acertaram. É legítimo que cada geração problematize suas obras, mas é também necessário que se compreenda o contexto de suas vidas e da sociedade em que viveram.

Enfim, esse papo aí é longo. Hoje, eu quero apenas lembrar uma das várias polêmicas em que Lobato acabou envolvido (esta, involuntariamente, ou não, dependendo de suas crenças).

Poucos meses após sua morte, dois médiuns mineiros anunciaram que teriam psicografado o escritor. Esses dois médiuns eram Chico Xavier e Pedro Machado. O próprio Lobato havia se envolvido com o Espiritismo, nos últimos anos de sua vida, após a morte de dois filhos. O mesmo, aliás, havia acontecido anos antes com o Coelho Neto. Por sinal, vários escritores brasileiros e estrangeiros se envolveram com o Espiritismo. Lobato chegou a organizar sessões mediúnicas, em que sua esposa, Dona Purezinha, atuava como médium. Lobato redigia as atas desses encontros.

Matéria publicada na Revista da Semana em 21 de agosto de 1948

Foi nessa época que Lobato combinou com seu amigo Godofredo Rangel, também escritor, um plano do “outro mundo”: aquele que morresse primeiro, enviaria do além, uma senha combinada entre os dois. Se o sobrevivente recebesse essa senha, estaria provada a vida após a morte. Simples assim.

Reprodução do jornal espírita “O Poder”, em que se anuncia a psicografia de uma mensagem atribuída ao espírito de Monteiro Lobato.

Desse plano, os dois médium mineiros não sabiam. Verificou-se que em suas mensagens psicografadas, não apareceu em nenhum momento, a “senha” combinada por Godofredo e Lobato. Godofredo morreu em 1951 e, ao que parece, até hoje, as senhas combinadas não foram recebidas.

o “sensacionalismo” do jornal A Noite sobre as “psicografias”, em agosto e setembro de 1948.
Cláudio Soares
Escritor, jornalista e editor do portal Hiperliteratura.